Resenha: O Rei Perverso

Com as expectativas devidamente ajustadas me aventurei na leitura de O Rei Perverso, o segundo livro da trilogia O Povo do Ar, da escritora Holly Black.

Aqui cabe o aviso de que a resenha inevitavelmente terá spoilers do primeiro volume, O Príncipe Cruel.

Sinopse:

Para sobreviver no Reino das Fadas, Jude Duarte precisou aprender muitas lições. A mais importante delas veio de seu padrasto: O poder é bem mais fácil de adquirir do que de manter. Jude achou que, depois de enganar o príncipe Cardan para que ele jurasse obedecê-la por um ano e um dia, nem mais nem menos, sua vida se tornaria mais fácil. Agora, Cardan é o Grande Rei. Jude é a mão por trás do trono. Cinco meses já se passaram, e ela não conseguiu fazer nada além de dar algumas ordens banais ao rei. Se quiser guardar o trono para seu irmão, Jude precisará pensar, e rápido, num plano para fazer Cardan se curvar a ela por mais tempo, mas essa parece uma tarefa impossível quando o Grande Rei faz de tudo para humilhá-la e prejudicá-la, mesmo que seu fascínio pela garota humana permaneça intacto. Como se não bastasse, as ondas ameaçam engolir as ilhas de Elfhame e Jude recebe um alerta: alguém traiu você. Mas quem? Jude precisa lutar para salvar a própria vida e a daqueles que ama, além de, nesse meio-tempo, lutar contra seus sentimentos conflituosos por Cardan. Em um mundo imortal, um ano e um dia não são nada…

Sempre que um livro tem continuação, fico com receio de que a história perca a qualidade, mas isso não acontece em O Rei Perverso. O que temos, na realidade, é uma melhora significativa no desenvolvimento dos personagens, questões políticas mais aprofundadas e enriquecimento do universo fantástico.

Se, em O Príncipe Cruel, Cardan não parece mais que um garoto mimado e cruel, embora no decorrer do livro seu passado seja parcialmente revelado, em O Rei Perverso conhecemos um pouco melhor o novo Grande Rei de Elfhame e acompanhamos sua evolução.

Jude, no entanto, permanece como uma pessoa desconfiada, que foi agraciada com um dom com espadas que beira o sobrenatural, e que aos poucos deixa evidente sua sede por poder. Se ser desconfiada pudesse preservá-la de traições e reviravoltas talvez esse traço de sua personalidade seria útil, porém, não a leva a nada além de afundar cada vez mais em mentiras, e se afastar das pessoas que a cercam. 

“Para os mortais, a sensação de se apaixonar é bem parecida com a de medo. Seu coração bate mais rápido. Seus sentidos ficam apurados. Você fica desnorteada, talvez até tonta.”

Os sentimentos que ela nutre por Cardan são tão conflituosos que ela não consegue assumir nem para si mesma, e a reciprocidade que em muitas ocasiões fica óbvia desde o primeiro livro, é descartada pela mesma característica de sua personalidade citada anteriormente.

Eu, particularmente, tenho pouca paciência com situações que se prolongam desnecessariamente por falta de diálogo — e já falei sobre isso em alguma outra resenha por aqui. Então sei que esse é um ponto que me incomoda muito durante a leitura, e que não significa que o livro é ruim ou que terá o mesmo efeito em outros leitores. Mas isso acontece muito em O Rei Perverso, e me incomodou, obviamente.

A trama política é melhor explorada neste volume do que no primeiro, e o jogo de poder acaba sendo bastante intrigante. Novas ameaças aparecem, alguns personagens ganham mais destaque e, como citado anteriormente, o universo fantástico se torna ainda mais rico com novos reinos e criaturas. 

O Rei Perverso prova que sequências podem ser ainda melhores do que esperamos, trazendo novamente a escrita envolvente, leve e fluida de Holly Black, com um enriquecimento da narrativa e personagens melhor explorados. 

Sobre a autora:

Holly Black é cocriadora das Crônicas de Spiderwick e ganhou um Newberry Honor pelo romance Boneca de ossos. Consagrada autora de livros de fantasia para jovens, Holly também criou, com a amiga Cassandra Clare, a série literária Magisterium. Ela vive na Nova Inglaterra com o marido e o filho, numa casa com uma porta secreta. 

Ficha de leitura:

Livro: O Rei Perverso

Autora: Holly Black

Editora: Galera Record

Páginas: 307

Nota: 4/5⭐

Comprar: Amazon

Um comentário em “Resenha: O Rei Perverso

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s