Resenha: Obsidiana (Saga Lux)

Eu já falei aqui no blog sobre a importância do designer de capas e de como funciona o trabalho desse profissional. Também já falei da tendência que temos em julgar um livro pela capa — quem nunca comprou um livro só porque se encantou com a capa que atire a primeira pedra! — Mas e quando a capa causa o efeito contrário?

Tive essa experiência com os livros da Saga Lux. Eu não imaginava o quão errada estava ao julgar a história sem conhecê-la. Mas, influenciada por muitos bookstagrams, resolvi dar uma chance à leitura, e assim eu li os três primeiros livros em três dias. 

Te convido então a conhecer um pouco mais sobre a história que me conquistou tanto que até parece de outro planeta! Confira a resenha do primeiro volume da saga, Obsidiana, da escritora Jennifer L. Armentrout

Sinopse:

Começar de novo é um saco. Quando a gente se mudou para o interior, bem no início do último ano do colégio,eu já vinha me preparando para o sotaque caipira, o tédio, a internet lenta e um monte de chatices… Até dar de cara com o meu vizinho lindo e seus intimidantes olhos verdes. Hummm… os prognósticos estavam melhorando. Até que… ele abriu a boca. Daemon é irritante. Arrogante. Dá vontade de matar. A gente não se dá bem. Não mesmo. Mas, quando um caminhão  quase me transforma em panqueca, o garoto literalmente congela o tempo com um aceno de mão, e aí, bom, algo inesperado acontece. O alien gato (meu vizinho) tem poderes!!! Você me ouviu bem. ALIEN! A verdade é que ele e a irmã têm uma galáxia de inimigos que querem roubar seus poderes. O rastro que deixou em mim brilha como uma árvore de Natal, e isso não é nada bom. O único jeito de sair viva dessa é ficar colada em Deamon, até a magia alienígena desaparecer. Quer dizer, isso se eu não matar o cara primeiro.

Alienígenas não são seres que costumam estar nas minhas leituras com muita frequência, e, embora tenha visto recomendações sobre o livro, não li a sinopse. Quando comecei a leitura e percebi que havia algo de diferente com os vizinhos de Katy, comecei a pensar em vampiros. Imagine a surpresa quando descobri que se tratava de aliens!

“Rosto bonito, corpo perfeito e péssima atitude. A santíssima trindade do boy magia.”

Com seus inconfundíveis olhos verdes, Daemon, o vizinho da Katy, não poderia ter sido descrito de maneira melhor. Sua atitude é, de fato, péssima. Faz tudo o que pode para afastar Katy de Dee, sua irmã gêmea. Ele a humilha, despreza, diminui, insulta e nos faz detestá-lo, independente dos olhos e de todo o conjunto da obra (Daemon, no caso, não o livro). 

No entanto, a personalidade de Daemon não se limita a isso. No decorrer da história encontramos um personagem muito mais complexo, e suas ações se tornam, em partes, justificáveis. Tão capaz de ter momentos de gentileza quanto tem de ser rude, o rapaz/alienígena causa sentimentos conflituosos em Katy, e nos leitores também!

“Sempre achei que as pessoas mais bonitas, bonitas de verdade, por dentro e por fora, são aquelas que não têm noção do efeito que causam.”

Katy é uma personagem que todo leitor consegue se identificar. Apaixonada por livros a ponto de criar um blog para ter onde expressar suas opiniões sobre a leitura (já conheço essa história), e com sacadas inteligentes — exceto quando o cérebro a abandona toda vez que Daemon aparece sem camisa —, a garota é extremamente cativante, e nos envolve na história durante sua narrativa em primeira pessoa.

“Os livros são uma válvula de escape necessária, à qual sempre recorria sem pensar duas vezes.”

Dee é o total oposto de Daemon no que diz respeito à personalidade. Ela é alegre, divertida, e extremamente amigável. Nos conquista desde o início e faz valer todo o “esforço” que Katy faz para manter a amizade das duas.

Eu gostei muito do modo que a autora explorou toda essa questão da existência de alienígenas, seus poderes, o controle do governo. Os personagens também são bem trabalhados, inclusive os secundários.

“Neste vasto universo infinito, você acha que a Terra, este lugar, é o único planeta com vida?”

Com personagens cativantes, um enredo interessante, plot twists na medida certa e uma boa dose de alienígenas lindos, a leitura me conquistou desde o início. Por isso eu digo, deixe o julgamento das capas de lado, e dos alienígenas também, pois esse livro mostra que podem ser muito diferentes do tão conhecido E.T.

Sobre a autora:

Best-seller internacional com mais de 1 milhão de livros vendidos e número 1 da lista do New York Times, Jennifer L. Armentrout vive em Martinsburg, West Virginia. Quando não está concentrada escrevendo, ela passa o tempo lendo, assistindo a filmes B de zumbi e curtindo ao lado do marido e do seu jack russell, Loki. O sonho de virar escritora começou na aula de álgebra. Ela passava a maior parte do tempo escrevendo contos – o que explica as péssimas notas em matemática. Jennifer é autora de paranormais para jovens, ficção científica, fantasia e romances contemporâneos. Obsidiana foi vendido para o cinema, enquanto Covenant será transformada em série de TV. Um de seus livros, Não Olhe para Trás, foi escolhido em 2014 o melhor de ficção para jovens pela Young Adult Library Services Association (YALSA). Jennifer também escreve romances adultos contemporâneos e paranormais, usando o pseudônimo de J. Lynn. 

Ficha de leitura:

Livro: Obsidiana

Autora: Jennifer L. Armentrout

Editora: Valentina

Páginas: 328

Nota: 5/5⭐

Comprar: Livro físico Amazon / Kindle Unlimited

Um comentário em “Resenha: Obsidiana (Saga Lux)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s