Resenha: Um Caminho Para a Liberdade – Jojo Moyes

Um Caminho para a Liberdade, da Jojo Moyes, foi uma das minhas leituras favoritas do ano. Eu diria, até mesmo, que entrou na lista de favoritos da vida. E, agora, vou tentar te convencer a ler essa obra incrível.

Sinopse:

Em uma época em que não seguir os costumes e a religião era transgressão gravíssima, o caminho de um grupo de mulheres se cruza de maneira inesperada. A década de 1930 está chegando ao fim, e, em uma pequena cidade do interior dos Estados Unidos, a ideia de que as moças administrem uma biblioteca itinerante desafia o status quo. Com o compromisso de levar livros para os moradores mais pobres da região, Margery, Alice, Beth, Sophia e Izzy aceitam trabalhar na biblioteca. E à medida que enfrentam inúmeras dificuldades, como aprender a cavalgar, percorrer rotas de difícil acesso e suportar o preconceito dos mais conservadores, elas fortalecem o laço que as une e descobrem mais sobre si mesmas. Em pouco tempo, toda a cidade se volta contra o grupo, colocando em risco a sobrevivência do projeto. E as mulheres vão se perguntar mais uma vez se o poder das palavras será suficiente para salvá-las. Inspirado em uma história real, Um caminho para a liberdade fala de lealdade, independência e justiça. Com uma trama envolvente e emocionante, Jojo Moyes faz o leitor refletir sobre as redes de apoio e amizade entre mulheres e como é preciso ir além dos nossos — supostos — limites. Afinal, conquistar a liberdade nunca é fácil.

Imagem autoral

Um caminho para a liberdade é um pouco diferente das demais obras da autora. Eu arriscaria dizer que Jojo Moyes se superou e escreveu uma história ainda mais profunda, delicada e emocionante. Sua escrita também está diferente, e eu, que já era fã, passei a admirar ainda mais o trabalho da autora.

Com um ritmo suave, a leitura nos conduz pelas montanhas de uma pequena cidade do interior dos Estados Unidos na década de 1930. Acompanhamos as cinco mulheres envolvidas nos trabalhos da biblioteca à cavalo, com foco maior em Alice e Margery, cujas histórias se entrelaçam de maneira belíssima. 

Nós, mulheres, enfrentamos desafios surpreendentes quando escolhemos sair do que são considerados nossos limites habituais.

Sororidade. O conceito de irmandade que permeia o movimento feminista pode ser perfeitamente exemplificado pelo relacionamentos dessas mulheres. O respeito, o apoio, a amizade, tudo tão presente durante a leitura que nos faz enxergar a potência da união feminina.

A imersão é outro ponto que vale a pena ser citado aqui. É possível se imaginar cavalgando pelas belas paisagens montanhosas do interior, mas já adianto que também sentirá o frio, o cansaço, e quem sabe alguns cheiros, se sua imaginação for acima da média.

Prepare os lencinhos, pois as lágrimas são quase garantidas — e eu digo “quase”, pois sempre tem alguém que não chora nem se enfiar o dedo no olho, então… — e eu chorei da metade até o final do livro.

“Você sabe qual é a pior coisa de quando um homem bate em você? (…) É que naquele instante você percebe a verdade sobre ser mulher. Que não importa o quanto você é inteligente, como você argumenta melhor, como você é melhor que eles, ponto. É quando você percebe que eles sempre podem calar você com um tapa. Simples assim.”

Mesmo se passando na década de 1930, o livro traz debates importantes e, de alguma forma, atuais. Não apenas a questão do feminismo (movimento que só surgiu algumas décadas depois), mas fala sobre condições de trabalho ilegais, xenofobia, discriminação racial e, sim, o lugar da mulher na sociedade da época e o julgamento quando alguma delas fugia das regras e convenções.

Uma obra que ressalta a importância da leitura e do conhecimento para todos, e o quanto o hábito da leitura pode ser transformador. Um caminho para a liberdade é um livro para ler, refletir, se emocionar e recomendar, pois a palavra de Jojo Moyes deve ser passada adiante, assim como essas mulheres que levavam histórias para tantas famílias.

Curiosidade sobre a obra:

Esse livro foi inspirado em fatos reais, e foi escrito durante o período em que a autora passou isolada em uma cabana nas montanhas do Kentucky. A história das bibliotecárias inspirou Moyes, que percorreu suas trilhas a cavalo, refazendo o passo das quatro mulheres. As imagens abaixo, retiradas dos arquivos da Universidade do Kentucky, foram utilizadas como base para que ela desse vida às personagens de Um Caminho Para a Liberdade.

Credit: University of Kentucky Archives
Credit: University of Kentucky Archives
Credit: University of Kentucky Archives

Sobre a autora:

Jojo Moyes nasceu e cresceu em Londres. Trabalhou como jornalista por dez anos, nove deles no jornal The Independent, de onde saiu em 2002 para se dedicar integralmente à carreira de escritora, quando seu primeiro livro, Em busca de abrigo, foi publicado. Desde então já escreveu quatorze romances e uma coletânea de contos. Como eu era antes de você, seu livro de maior sucesso, ocupou o topo da lista de mais vendidos em nove países e foi adaptado para o cinema. Com mais de 35 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, Jojo Moyes é uma das poucas escritoras a ter emplacado três livros ao mesmo tempo na lista de best-sellers do The New York Times. A autora mora em Essex, na Inglaterra, com o marido e os três filhos.

Ficha de leitura:

Livro: Um Caminho para a Liberdade

Autora: Jojo Moyes

Editora: Intrínseca

Páginas: 368

Nota: 5/5⭐

Comprar: Amazon

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s