Resenha: Trono de Vidro – Sarah J Maas

Depois de me encantar com os personagens de Sarah J. Maas em Corte de Espinhos e Rosas, não havia dúvidas de que precisava ler Trono de Vidro. No entanto, há uma diferença entre as duas séries e eu vou falar um pouco sobre isso na resenha (sem spoilers).

Sinopse: 

A magia há muito abandonou Adarlan. Um perverso rei governa, punindo impiedosamente as minorias rebeldes. Aos 18 anos uma prisioneira está cumprindo sua sentença. Ela é uma assassina, e a melhor de Adarlan. Aprisionada e fraca, ela está quase perdendo as esperanças, a sentença de morte é iminente, mas a jovem recebe uma proposta inesperada: representar o príncipe em uma competição, lutando contra os mais habilidosos assassinos e larápios do reino. Mas ela não diz sim apenas para matar, seu foco é obter sua liberdade de volta. Se derrotar os 23 assassinos, ladrões e soldados, será a campeã do rei e estará livre depois de servi-lo por alguns anos. Endovier é uma sentença de morte, e cada duelo em Adarlan será para viver ou morrer. Mas se o preço é ser livre, ela está disposta a tudo. Seu nome é Celaena Sardothien. O príncipe herdeiro vai provocá-la, o capitão da guarda fará tudo para protegê-la. E uma princesa de terras distantes se tornará algo que Celaena jamais pensou ter novamente: uma amiga. Mas algo maligno habita o castelo – e está ali para matar. Quando os demais competidores começam a morrer, um a um e de maneira terrível, Celaena se vê mais uma vez envolvida em uma batalha pela sobrevivência e inicia uma jornada desesperada para desvendar a origem daquele mal antes que ele destrua o mundo dela. E sua única chance de ser livre.

Trono de Vidro (ToG) é um livro introdutório ao universo e personagens da série composta por oito livros. Narrado em terceira pessoa, acompanhamos, na maioria das vezes, Celaena Sardothien, durante o período da competição. Algumas poucas passagens acompanham o príncipe herdeiro Dorian, e, em outros momentos, o capitão da guarda Chaol, assim como outros personagens. 

“Todos carregamos cicatrizes, Dorian. As minhas são apenas mais visíveis que as da maioria.”

Personagens são apresentados durante a história, mas poucos parecem que realmente terão alguma importância futura. Os mistérios que aparecem durante o livro são facilmente solucionáveis e não apresentam grande desafio para mentes mais atentas. 

Durante minha experiência de leitura, senti que o livro apenas cita questões que serão (espero!) melhor trabalhadas no futuro. Embora não deposite todas as minhas confianças nisso, pois, se você acompanhou minhas resenhas da série ACOTAR, sabe que Sarah muitas vezes deixa pontas soltas e perguntas não respondidas.

Confira as resenhas:

A questão é que eu consegui me conectar aos personagens de uma maneira ou de outra, e a minha vontade de gostar da série é bem grande devido à minha paixão por ACOTAR, o que influencia minha avaliação final. Talvez, em um primeiro contato com a escrita de Sarah J. Maas, eu seria mais criteriosa, mas confesso — e espero que, como fã de algum autor que certamente é, me compreenda — que minha avaliação de Trono de Vidro não é, de todo, imparcial. 

Mas, fatos são fatos, e aqui vão alguns:

  • O ritmo da narrativa é lento. E, ao afirmar isso, não me refiro à técnica de escrita, mas à falta de desenvolvimento. Eu me senti andando em círculos sem sair do lugar. E, mesmo que muitas pessoas achem Corte de Espinhos e Rosas lento no início, eu acho que o primeiro livro de ACOTAR desenvolve melhor do que ToG, possui mais acontecimentos e é realmente mais intrigante.
  • Não há um plot twist digno de ser nomeado assim. Tudo é previsível, e, embora não seja realmente uma característica negativa o fato de conseguir prever alguns acontecimentos, não há uma grande reviravolta que te prenda às páginas até tudo ser solucionado.
  • Gostaria (sim, opinião minha) que as provas da competição tivessem um maior destaque. Acredito que seria muito mais interessante acompanhar as provas do que os passeios pelo castelo.

Mas… recomendo a leitura como um livro introdutório, que é o que ele é. Sem grande desenvolvimento, apenas como apresentação dos personagens e do universo, como disse anteriormente. Acredito (estou confiando nos fãs de ToG aqui) que ainda vou me surpreender com a história e aumentar a minha lista de personagens queridos.

Essa leitura está sendo feita com o Coletivo Fantástico, um grupo de leitura coletiva de fantasias organizado pela Renata do Retipatia. Convido a conhecer o trabalho da Re nos links abaixo.

Blog: www.retipatia.com

Instagram: Retipatia

Instagram do Coletivo: Coletivo da Retipatia

Sobre a autora:

Sarah J. Mass publicou suas histórias de forma independente e conquistou milhares de leitores no fictionpress.com. Graduada pelo Hamilton College, com licenciatura em Escrita Criativa, Sarah tornou-se autora nº 1 do New York Times, com as séries Trono de Vidro e Corte de Espinhos e Rosas. As duas sagas atingiram sucesso mundial, sendo publicadas em mais de trinta e cinco idiomas. Em 2019 Sarah lançou a saga Cidade do crescente, que deu início a uma nova jornada e marca sua primeira incursão na ficção adulta. Ao longo dos dez anos que passou aprimorando o universo de Trono de vidro, a autora desenvolveu uma paixão por filmes da Disney e música pop ruim. Ela adora café e vê muito lixo na TV. Nascida em Nova York, Sarah atualmente vive na Pensilvânia com o filho, o marido e o cachorro.

Ficha de leitura:

Livro: Trono de Vidro

Autora: Sarah J. Maas

Editora: Galera

Páginas: 392

Nota: 4/5⭐

Comprar: Amazon

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s